Atualizando informações ...

Sinais de fumaça

Ref: 700120000180
Modelo: Jonas Dornelles

Não disponível
Sobre o Livro

"Imagine Olavo Bilac pedindo a senha do wi-fi para um morador de rua, Tom Zé jogando truco numa cúpula do ONU, Augusto de Campos assistindo Vale a Pena Ver de Novo, Galileu fazendo um pixo no muro da igreja, Heráclito concluindo que ninguém rola duas vezes a mesma timeline. É mais ou menos nisso que a mistura de dicções, referências, ruminações e vozes sociais dos Sinais de Fumaça enviados pelo Jonas Dornelles me fez pensar. Nisso e mais um pouco. Afinal, são mais de cinquenta poemas, organizados em cinco seções com títulos altamente sugestivos: Um altar vagabundo, Personitas, Couro duro, Sangueira e Carnaval cinzento. Um fio condutor possível? A dimensão trágica dessa nossa época em que todos os tempos se encontram, todos os caminhos se corrompem, todas as dores são compatíveis ? as definições de dor, aliás, foram atualizadas, e talvez seja preciso baixar uma nova versão, paga ou pagã, do aplicativo. O trágico revela-se na visão crítica do mundo contemporâneo, com suas hashtags e nuvens carregadas de dados, mundo no qual a experiência humana  sensorial ou afetiva, individual ou coletiva já não se separa das mídias, da tecnologia, para consternação do poeta: Às vezes choro pela vida/ de uma criança que nasceu/ dentro de uma timeline. E talvez, também, alguma dose de autoironia, ao perceber que estamos todos  e não só as novas gerações, seja lá o que isso signifique  perdidos nesse mesmo bug do dia-a-dia: sinal de ampulheta/ congelada numa tela/ sobrecarregado/ na simbologia do cotidiano. Mas trágico é igualmente, e inevitavelmente, sinônimo de Brasil. 

Sobre o Autor Sobre a Editora Características

Jonas Kunzler Moreira Dornelles nasceu em Porto Alegre em 1986. Tocando bateria na banda punk rock "Velho de Câncer" e lendo quando conseguia, encontrou motivação para ingressar na faculdade. Hoje, concluiu o segundo mestrado e é doutorando em Letras na PUCRS, pesquisando vida e obra de Dyonélio Machado. Como poeta, publicou "Trilha na Memória, 2014 e traduziu uma antologia do poeta espanhol Jesús Lizano, no volume "Olá Compas", 2016.

Meu Carrinho

Continuar Comprando