Atualizando informações ...

Habito um país distante

Modelo: Julio Moncada

Por:
R$ 44,90

ou 6x de R$ 7,48 Sem juros Cartão MasterCard
ou 6x de R$ 7,48 Sem juros Cartão Visa
Estoque insuficiente
* Aqui sua compra é 100% segura, compre com tranquilidade.
Simulador de Frete
- Calcular frete
Frete e prazo de entrega
Sobre o Livro

Em 1948, o poeta Pablo Neruda, perseguido pelo governo do presidente chileno Gabriel González Videla, lançou a Antología Popular de la Resistencia. Neruda escreveu todos os poemas do livro, mas assinou apenas alguns com seu nome. O restante atribuiu ao poeta chileno Julio Moncada, seu companheiro de geração, ao cubano Nicolás Guillén e a cinco escritores que ele inventou e os fez passar por verdadeiros. Moncada e Neruda também fizeram parte da Alianza de Intelectuales para la Defensa de la Cultura, junto a uma geração de artistas ativistas. No governo do presidente Salvador Allende, Julio Moncada foi nomeado Agregado Cultural na Embaixada de Montevidéu. Com o golpe militar no Chile, renunciou ao seu cargo e partiu para o exílio, primeiro em Buenos Aires e, mais tarde, em Paris, onde faleceu em 1983.

 
Sobre o Autor Sobre a Editora Características

Julio Moncada, nasceu em Santiago do Chile, a 12 de abril de 1919. Desde muito cedo se dedicou às letras, ao estudo, particularmente da poesia. Sua primeira publicação foi o livro Las voces (As vozes), por Ediciones Americanas Andes, em 1943. Nove anos depois, já no Uruguai onde moraria durante muitos anos, publica Destierro (Desterro), por Ediciones Helios, em 1950. Em 1953, seu conto La ráfaga de las bestias (A rajada das bestas), é um dos cinco ganhadores do Concurso Nacional de Poesia e Conto, organizado pela Federação de Estudantes de Concepción, do qual foi jurado o grande poeta, Prêmio Cervantes 2003, Gonzalo Rojas falecido em 2011 com quem fez, posteriormente, uma grande amizade. Julio Moncada está inserido na Geração Literária de 38. Sempre no Uruguai, dividido entre suas viagens ao seu Chile natal, e seu trabalho como escritor e jornalista em Montevidéu, publica um poema em forma de livreto, La pena desnuda (A pena desnuda), como parte separada da Revista Agón, em 1958. Sua última publicação em livro foi Poemas de Malvín, no ano de 1967, por Ediciones Del Angel No, em Montevidéu, uma belíssima edição de 150 exemplares numerados e assinados pelos autores, Julio Moncada e Enrique Fernández (autor das gravuras que ilustram o livro). Além disso, milhares de notas, comentários, conferências, cursos, colunas de jornal, um disco onde diz alguns de seus poemas, palestras e já no exílio, em Paris, participa do Comitê de redação da Revista Araucária de Chile, colaborando com poemas, artigos e entrevistas. Quando Salvador Allende foi eleito presidente do Chile, foi nomeado Adido Cultural à Embaixada em Montevidéu, fundando o Centro Cultural Chileno, promovendo e trabalhando sempre pela cultura e o intercâmbio. Por ocasião do golpe militar de 11 de setembro de 1973 renuncia a seu cargo na Embaixada e parte ao exílio, primeiro em Buenos Aires e em seguida em Paris, onde morre a 19 de julho de 1983, aos 64 anos, depois de longa e dolorosa doença, especialmente agravada pela saudade e a impossibilidade de voltar ao seu amado país.

Meu Carrinho

Continuar Comprando